quinta-feira, 8 de março de 2007

Erros do G5 sem fair play: da artificialidade planejada ao antijogo.

Quinteto sem fair play - clique na foto para ampliar

O jogo BBB, de fato, incorporou seu lado maniqueísta na vera mesmo, a partir do planejamento do G5 em emparedar Íris e Diego, da maneira que sabemos: imposição e sem nenhuma misericórdia do adversário(risos). Isto é, já estava mais ou menos alinhavado quando Alberto ganhou a liderança, e que lhe proporcionou a chance de resolver as suas diferenças com Íris. Justificou uma coisa e nos passou outra. Resultado: limou a espontaneidade; contraditória, mas, sincera e natural.

Iris já pressentia e fez de tudo para alertar Diego e Fani, e foi ignorada. Naquela fatídica prova do líder(mentiras e verdades), Irislene começou sua peregrinação, quando Alberto abocanhou a liderança. Foi evidente a perda de sua alegria, quase que instantaneamente. Era o começo do fim. Ela sabia o que iria acontecer, pois, sentia na pele o que seus algozes estavam descaradamente planejando. E nós apenas nos compadecendo, em sabermos como se instalou o clima e os "porques".

Passaram-se dois dias e nasceu a luz no fim do túnel, na prova do Anjo. Os torcedores do casal sem beijo (risos) carregavam a esperança que, a vitória de Siri fosse realmente, o diferencial para que não se instalasse o "paredaço". Se enganaram. E doeu muito. Teve gente que chorou(risos).

Isto posto, temos algumas perguntas pertinentes a responder, pelo menos, tentar entender: porque o Brasil, ou a sua maiora, condenou os atos do G5? Outra: porque Diego e Iris se tornaram os maiores ícones no programa?

A primeira pergunta é o mote desse post, logo, vamos a ele.

Todos ou, quase todos os BBBs, se prepararam para o programa. Estudaram e assistiram edições anteriores. Tem gente lá, que sabe as histórias e lembra detalhes e nomes como numa cartilha do ABC. Estudaram e se moldaram em estereótipos. Entraram querendo, cada um a sua maneira, ser o perfil do ganhador. Qual é o perfil de vencedor de BBB? Carismático, misantropo, necessitado, abastado, humilde, injustiçado, moderno, recatado, extrovertido, sistemático, manipulador, interiorano, urbano, inteligente, limitado, perspicaz, estrategista? Me diga qual é o perfil? Senão aquele que tendo tudo isso mas, que venha a mexer com as emoções de quem o vê, que desperte a vontade de lhe ser amigo e talvez regozijar-se com ele ou dar-lhe um puxão de orelha quando necessário?

Alberto querendo ser o caubói do momento, com sua caracterização fake. Um rapaz inteligente, boa praça, mas que, se estatelou com outra caracterização, a caipira sacoleira. Alberto desde o começo do programa sentiu o óbice e quis diminui-lo a qualquer custo. A princípio, fazendo caso por causa de uma brincadeira de zoação de Íris e Flávia. Levantou questionamentos de comportamento da moça, sem nexo, para tanto barulho. Eles estão lá para quê? Não é para interagirem entre si também? Tivemos brincadeiras bem mais "pesadas" após isso, inclusive protagonizada por ele. Errou porque falava uma coisa e seus olhos e pertubação mental nos diziam outra. Errou porque deixou transparecer que o motivo era torpe e invejoso, e não comportamental. Errou porque nos passou que ele estava se corroendo por estar em segundo plano. Não foi edição de seus atos que fizeram isso. Foi seu gestual. Acho que ele esqueceu que do lado de cá, as pessoas que o assistem, compartilham defeitos semelhantes aos seus, e que sabem reconhecer virtudes e deficiências de julgamento, independente de trilha sonora, caracterização cenográfica ou seja lá o que os críticos dessa posição querem alegar.

Bruna entrou no programa para ser a "cozinheira" e dona do lar. Sem machismos, por favor. Ela fez questão de manifestar isso, com sua caracterização de moça prendada, alheia ao jogo, curtindo seu amor eterno(risos). Não viveu o jogo na sua plenitude, deixou a vida lhe levar. Errou por ter deixado os predicados citados, lhe atrapalhar em sua competitividade no jogo. Se anulou e faz agora uma corrida maluca, numa contradição interna que, por vez, sou-lhe solidário. Conseguiu com que ninguém interferisse em seu jogo, por certo tempo. Contudo, se deixou levar no momento em que todos, esperavam dela, aquela individualidade do começo. Errou por fazer o que a maioria(G5) queria fazer, e não o que seu coração realmente queria. E deixou transparecer isso. Só para ilustrar o que escrevo, lembro a conversa que ela teve com Íris, na cozinha, em que afirmou que nunca iria fazer aquilo com Siri, isto é, colocá-la no paredão. Iris ainda lhe perguntou meio que cheia de medos, se ela então iria emparedar Diego. "Claro que não Siri, imagina se eu vou separar vocês dois", respondeu uma Bruna convicta de sí. Daí a mágoa de Íris, que acreditou nisso. Outra: deu as costas para Alberto lhe dizendo que ele estava errado e tal. Na hora de fazer o paredão estava tudo certinho. Quando Siri é eliminada... minutos depois... está tudo errado. Qual é? Querendo se safar? Decida e seja convincente. Errou de novo.

Analy e Carol, nossas experts em BBB, entraram no programa, estudando as peças do tabuleiro. Estudando as jogadas e muitas vezes dando corda para alguns irem num caminho sem volta. Até aí, beleza, é jogo e tem que se armar mesmo. Pressentir a estratégia do adversário e ter jogo de cintura no jogo. Se identificaram e se uniram. Erraram em querer passar que são verdadeiras máquinas de virtudes, sem máculas, sábias, quando seus olhares denunciam outra intenção, totalmente oposta aos seus anseios. Vertiam lágrimas na hora do paredão e assim que os eliminados saiam, estavam elas a confabular o que iriam fazer, numa demonstração que estavam blefando com a gente. Não foram carismáticas porque não se entregaram como pessoas com suas virtudes e seus defeitos e erros. Fica a dúvida se quando se mostram tristes e chorosas, é verdadeiro mesmo. É sério! Olhando PPV e, durante esses "baixos" de Analy eu quero me emocionar com suas lamúrias, mas, fico com o pé atrás. Me sinto esquisito. Ela precisa chorar mesmo... por tudo para fora. Tem muita coisa para desopilar. Colocar as emoções para fora. Explodir! Mas, viver e não se policiar demasiadamente. Senão como quer ter carisma, se não se mostra? Me recordo do Alan nesse momento; ele inflizmente, não pode desenvolver o seu jogo, mas, se tivesse ficado, talvez Analy se entregasse mais(risos). O Caatinga ia aprontar para cima dela, mas, é passado e, "se fosse isso" "se aquilo" não conta. Ambas muitas vezes, planejaram meticulosamente cada gesto e palavra. Seus olhares e risos irônicos denunciaram a dissimulação. O cinismo e jogo de palavras uma com a outra, na tentativa de nos fazer entender que elas estavam cobertas de razão, foi a gota d'agua.

Airton no começo entrou solando no jogo, foi advertido e saiu de cena, curtiu um hotel cinco estrelas por uma semana, ô vidão! Voltou à Big House e mudou a estratégia. Quer dizer, voltou sem nenhuma(risos). Para espanto geral, se isolou em seu cantinho e se mostrava pouco. As câmeras pegavam todos, e eu me perguntava onde está o Airton? Dormindo. "Lendo" um livro. Dormindo. Nas conversas, não abria a boca, a menos que fosse nas festas, aí ele se soltava(a cachaça é das boas). Nada haver contra o comportamento recatado do rapaz. O problema é que foi de encontro a sua postura do começo do jogo. Aí fundiu minha cabeça. Passei a questionar não só aonde estava mas, quem é verdadeiramente Airton? Numa grata surpresa, ele se revela e dá um xeque-mate no Diego, por ocasião, dos "machos" quererem entender o porque de Diego indicar Felipe. A partir de então ele começou a se desenvolver, a participar mais, a dar pitacos, a ser engraçado, animado, mexer com todos, contar lorotas, enfim, se soltou legal. Graças a sua postura e seu contraponto à causa de Diego; se enturmou e foi voz ativa no meio masculino e bem aceito no feminino. Era o cara que eu queria ver. Não carregou nenhum estereótipo nos ombros e foi ele mesmo, assim, tá ligado? Foi peça chave no estratagema de Alberto que culminou com o paredaço. Na minha ignóbil visão, foi o que menos errou. Não captei nesse moço, a inveja e a necessidade de abortar para aparecer. Não senti nele que seus motivos eram parecidos com os demais do G5. Acho que ele fez para se proteger mesmo. Essa impressão era a que eu queria levar pós BBB, todavia, aquela risada debochada que ele, conscientemente deu, ao vivo, na hora em que Alberto anunciou o nome do veto Analy, foi o selante de sua antipatia por parte do público. Morreu na praia(risos). Existe uma diferença muito grande entre sorrir, gargalhar, pular de alegria e se estribuchar em deboche. Siri comemorou uma vitória sua, numa ocasião; comemorou a liderança de Fani porque sabia que poderia até ir ao paredão mas, não iria contra Diego. Diferentemente de Airton que, zombou, tripudiou ao sorrir, quando os guerreiros estavam nocauteados, acuados e sem chance de defesa. Errou feio. Nossos olhos, ouvidos, e senso de compaixão captaram o lance todo. Muita gente ficou chateada.

Os cinco jogadores erraram, ao buscar a solução de seus problemas, munidos de inveja, artificialidade planejada, apatia, ironia, cinismo, dissimulação, deboche e muita falta de fair play. E essa impressão, não foram as edições que transmitiram, não culpo edições. Nossos olhos captaram toda essa gama de deficiências e que torna difícil a empatia e identificação carismática com qualquer um desses jogadores. Tanto é verdade que, volta e meia, estão fazendo jogo de encenação com o telespectador, querendo se justificar. Oras! É jogo de comportamento humano. Tudo é válido. Mas, daí agradar a quem vê e setencia, é outra história.

As meninas nesse instante da peleja, vão vir com essa história de que não vão votar no Diego, porque estão penalizadas por ele ter ido a três paredões..."coitadinho" diz a Carol. E a tal da "afinidade"? Para onde foi? Vão se engalfinhar sozinhos nas suas contradiçoes. E elas(e eles) juram de pé juntos que acreditamos nelas(es), que os motivos são outros e não "medinho" de enfrentá-lo. Dependendo do líder de daqui a pouco, as máscaras cairão novamente. Vou rir muito!

Nessa reta final estão necessitando serem eles mesmos, ou melhor, tem que viver a vida em vez de levar a vida, em vez de planejar cem por cento os seus passos e ações. Não dá para aguentar tanto tempo esse mimetismo comportamental. Os fatores psicológicos do confinamento e a falta de seus "portos seguros" pesam, e vai chegar a hora de chorar, gritar, se questionar e deliberar conforme as suas essências. Ainda dá tempo para mostrarem o que têm para agradar o público. Alberto é o que mais se aproxima disso. A pedra no sapato é Bruna, pois, ele não sabe o que fazer com ela, se vai ou se fica. Esse chove e não molha pode lhe atrapalhar. Não há romance ali e pronto. Ambos tem que entender que é conveniente e se protegerem, apenas isso. Tem que desencanar e contar como aliados. Caubói, se não sair logo, vai para a final com Diego e pode provocar muita reviravolta no imaginário de quem vê. Pensou, armou e julgou fazer o que tinha para fazer. É o seu estilo, então, vai as últimas consequências. Eu creio que ele sabe o que fez, ou pelo menos, tem dúvidas sobre o que proporcionou ao jogo. Tem dúvidas sobre os motivos, que o levaram a armar a derrocada, do que o brasileiro estava gostando de ver.

Tudo leva a crer que Diego, o Alemão, levará o prêmio máximo. Será que ele merece? Eu tenho minhas dúvidas e, particularmente, regalaria outra pessoa mas, não sou maioria, apenas uma gotícula no oceano. Penso que Diego vai levar o prêmio por eliminação, tipo, não dar para nenhum outro por questões carismáticas e identificação com as respectivas causas. Vai levar porque o público não tem outra alternativa, até agora. Isto é, Diego não está "ganhando" o prêmio e sim "recebendo" por falta de opção, até agora. E os motivos expostos, na minha leiga opinião, distancia qualquer um do G5 de "ganhar". Apesar das muitas bobagens que fez no programa, inclusive, catalisando as indicações de Iris, o público se fechou nele, Diego, por ter despertado logo nas primeiras semanas o "carisma", e seu maior trunfo foi ter se aliado a outra também carismática que tinha tudo para vencer e que morreu na praia mas, está melhor que muita gente que sairá em segundo ou terceiro e, possivelmente, em primeiro. Aguarde.

Se deixassem rolar... Íris, provavelmente sairia, naturalmente. Era forte e todos pressentiam. Era questão de tempo para arrumarem-se e emparedar a dupla que incomodava e ofuscava o G5. Sinceramente, hoje, me sinto feliz por Íris ter saído da Big House. Não aguentava mais ver aquela humilhação e irritação por sua presença. Prefiro ter uma Íris ao meu lado do que qualquer outro ali dentro. Por ordem de afinidades, assim como dizem os BBBs. Ela em primeiro lugar. Ela foi e sempre será daquele jeito, verdadeira e cativante. Isso que fez o Brasil gostar de Siri. O "furacão Siri" entrou no BBB para isso mesmo, fazer a gente gostar dela, assim, de graça. Eu não aguentaria tanta humilhação e "olho gordo" para cima de mim. Ela foi exemplar. Diego tem que se transformar ou amadurecer muito para ter uma mulher como Siri... por enquanto, ele não a merece, mas, quem tem que saber disso e decidir o seu melhor, é ela, com certeza(risos). A ficha dela vai cair... Acorda Irislene Stefanelli!!! Sou mais você!

10 comentários:

Beladona disse...

Kane,
como sempre, brilhante! Sem palavras. Tá apaixonado também?
Beijos!

kane disse...

anônimo,
heheheh, ainda estou...
Fica na sua. Teu IP está guardado.
Obrigado pela visita.
Fica com Deus

Cópia disse...

O que vi nesta madrugada foi a Fani se divertindo a valer, não como uma desvairada, mas como uma criança que faz peraltices. E ela estava muito, muito feliz. Eu ri muito dela, e com ela.

Por outro lado, esse jeito da Fani, de se sentir e comportar como criança, tem um avesso, como foi o da madrugada que se seguiu `a festa Medieval. O que vi foi uma Fani regredida, que não soube lidar com a frustração de ver Diego com Iris, enquanto ele a ignorava. O sofrimento,a frustracão e a regressão dela naquela madrugada foram dolorosas de ver.

Fani tem essa ambiguidade, a da mulher adulta que assume as suas decisões com maturidade, e por elas se responsabiliza, que convive com uma mulher regredida `as manipulações e reacões absolutamente infantis.

Ao meu ver, é essa controvérsia, essa ambiguidade na personalidade de Fani que a torna absolutamente humana e única. Já tivemos mulheres infantilizadas, bêbadas, liberadas no BBB, mas nunca uma que reunisse tantos aspectos numa pessoa só.

Para Fani, há um lado prazeiroso, mas também doloroso nessa ambiguidade. Para o espectador, principalmente os interessados na dimensão humana dos jogadores, Fani é um banquete. A ser curtido, execrado, dissecado, a cada um o seu cada um, mas não resta dúvida que ela é uma personagem interessantíssima, muito mais do que as Irislenes ou Diegos da vida.

Xuxu - 08/3/2007 20:15:29
Maria Eduarda | 03.08.07 - 11:06 pm | # Vi esse comentário e adorei.Como vc escreve bem sem ofender quiz copiá-lo aqui.

Sandra disse...

Mais uma vez gostei do seu post, tenho certeza que muitos se identificam com os teus pensamentos. Aqui vai a minha percepção dos jogadores. Resumo básico...rs

Alberto... desconfiei dele no primeiro momento, chegou como um personagem, desmontou mais rápido do que pensei, deixou de ser o tipo “bem-humorado” quando percebeu que sua concorrente a também caipira Íris estava aparecendo mais que ele. A perseguição começou e ele se deu mal ao manipular os colegas e com suas palavras tentar manipular a opinião pública, muita gente percebeu o jogo. Dizer que se sentia ameaçado pelo trio quando estava em vantagem numérica, foi seu maior erro. Mas acho que faria falta no BBB por ser um ponto de conflito.

Analy... pessoa aparentemente inteligente, mas o desejo de ganhar um milhão a deixou cega para seu futuro pós BBB, mesmo percebendo que o público gostava do casal Íris-Diego, participou da sua eliminação, mesmo ficando em 2º lugar o prêmio não será suficiente para a rejeição que vai encarar.

Carol...queria muito ser a musa, não tem brilho próprio, é muito bonita, mas não cativou, ...e, afinal, quem decide é o público mesmo, tem que agradar.

Airton...só vejo gente se arrependendo de ter votado nele pra voltar. Comprou briga alheia, aliás, briga sem sentido sobre votação do Cobra, puro pretexto para instigar a casa contra um participante e assim chegar mais adiante. O integrante mais inconveniente e chato deste BBB, mas não mexem com ele porque sabem que não ameaça o prêmio de ninguém.

Bruna...se posicionou como boa moça, assim que entrou fez questão de arranjar um namorado para formar “o casal BBB7” falhou, não obteve a simpatia do público, era visível o rosto de desagrado com o “trio”. Estava em dúvida entre se livrar dos rivais mais fortes ou ficar bem com a opinião pública.

Fani...uma das minhas preferidas no início do programa. Pensei que seria a pessoa a quebrar um paradigma moral. Mulher desencanada, que tira casquinha dos homens e não se envolve emocionalmente e ainda se torna amiga de possível rival. Mas...se perdeu feio no caminho, insegura, usa a bebida para dar vazão aos seus desejos, com direito a amnésia alcoólica, se mostrou egoísta e desleal ao se afastar do trio toda vez que sentia o perigo. Poderia ter sido a grande ganhadora do BBB.

Alemão...aparentemente entrou para curtir e aparecer sem pensar muito no 1 milhão, se interessou por Íris, ficou irritado por perceber que ela não caiu em sua conversa e detonou ela em uma das festas, percebeu que pegou pesado, se arrependeu e começou a defende-la. Cheio de falhas morais, porém, inteligente, se deu conta que o enredo agradou e como bom jogador manteve a postura de defensor apaixonado e conseguiu o apoio de grande parte do público. Provável ganhador.

Íris...assim como Alberto pensei que fosse um personagem montado, passou o tempo e percebi que ela era assim mesmo, exagerada, mas por incrível que pareça carismática. Comecei a observar com mais atenção, não gostei quando ela apelou e começou a gritar que era pobre, etc. Sobreviveu ao paredão e virou alvo geral dos participantes. Por mais que ela tenha tentado melhorar nos aspectos em que os colegas afirmavam ser o motivo dos votos ela continuou na mira, simplesmente por sentirem que ela era a vencedora do BBB. Esperta mas com dificuldade de articular palavras era o outro ponto de conflito na casa, não poderia ter saído tão cedo do BBB, mesmo que não ganhasse o prêmio, apimentava o programa.
Só me pergunto, porque Íris saiu? Prefiro pensar que foi melhor para ela ter saído logo, sem mácula e poder aproveitar a fama enquanto o BBB está no foco. Sinceramente, sou mais uma que torce pelo sucesso dela aqui fora e que seja duradouro.
Observação final...não sou fã do Alemão, mas como torcer por qualquer um outro? Sorte dele.

Anônimo disse...

Só uma palavra define seu texto:
PERFEITO!

Mário disse...

Vcs viram um comentário do alemão com a Fani que se a prova fosse de resistência ele perderia um braço mas ganharia a liderança? Interessante esta prova ser na mesma semana do comentário dele.

Bru disse...

EXCELENTE!
FECHA A RÉGUA QUE ESTÁ MARAVILHOSO!
SE TEM UMA DAS COISAs QUE VOU FAZER DIARIAMENTE É LER SEUS POSTS. OBRIGADA.
MAIS TARDE VOLTO E DEIXO ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE FANI TÁ BOM?
BEIJOS!
BRU

ney alexandre disse...

maravilha de post! mto bom mesmo! abços, ney

Okumura disse...

Nossa! Você escreve muito bem!
Parabéns!
Não sou fã do Alemão, era do Caatinga, mas o que fazer??? Acho que só me restou torcer pelo "menos pior" dentro da casa no momento.
Abraços!
Continue escrevendo,pois achou uma leitora assídua.

anonimo disse...

Cara, queria que essas pessoas do g5 nao estivessem ainda no jogo e quem sabe liane, alan e iris fariam do bbb outro jogo... bem melhor de ser visto e dava pra torcer por alguem, pq alemao sem a iris perdeu todo o brilho, o q é ele agora? É so o menos pior dali.

Postar um comentário

Ah, navegante, você sabe as regras de conduta. Não envergonhe Voltaire e faça sua parte. Eu, certamente, farei a minha: deletarei os comentários tolos ou ofensivos a quem quer que seja (comentaristas ou blogueiros). Meta pau nos que venderam a alma pro Boninho.

Contato com Citizen Kane E-mail: sociedadebbb@bol.com.br
.