segunda-feira, 5 de março de 2007

Highlander: cabeças serão decapitadas...

Eu sou Highlander, o público.
No final, só pode haver um



Ele é Imortal, nascido há muitos anos. Ele não está sozinho. Existem outros como ele — alguns bons, alguns maus. Por séculos, ele tem combatido as forças das trevas, tendo o Solo Sagrado como único refúgio. Ele não pode morrer, a menos que você corte sua cabeça e com isto, absorva o seu poder. No final, só pode haver um. Ele é Duncan MacLeod(o público), o Highlander.

A vida é incerta e efêmera, ninguém se louve das garantias de sua longevidade. Mas, no programa BBB7 já se sabe quem tem vida curta e quem é o IMORTAL-o grande público-, que garantirá a Diego, ser ele, o escolhido pelo carisma.

Todos sabemos como a saga começou, a forma como se estabeleceu o G5 sem fai play e o alicerce de sua perseguição. É exatamente por isso leitor, o que está na sua cabeça agora, que o G5 vai ser aniquilado. Só relembrando... o G3 +/- jogo limpo, em nenhum momento confabulou descaradamente a combinação de votos, senão, Alberto já estaria assistindo o BBB pelo PPV, Íris não pediu a Diego para emparedar Alberto. Esses os maiores argumentos usados por Alberto para se defender no jogo, usando seus soldados. Estes aproveitaram a oportunidade para fazer coro ao que Alberto pretendia. Uniram o útil ao agradável mas, os motivos eram individuais e por incrível que pareça também, eram comuns a todos: necessidade de aparecer, necessidade de abortar a trajetória do carisma, da magia individual, necessidade de decaptar o que era divertido, necessidade de apagar a luminosidade de espírito... Um desejo mórbido de ser o foco. Compreendo isso, o ser humano tem essas fraquezas. Expô-las com a desfaçatez com que nos foi imposta, foi o grande problema para o G5. Faltou sutileza.

O G5 se perdeu na sua própria estratégia. O objetivo era o correto, quebrar o trio. A forma usada foi imprudente e na ocasião MUITOS RIRAM DE MONTÃO. A justificativa foi sofrível. Vale a pena rir de montão um ou dois dias? O fiasco e a queda do poderio transitório, devido a dissimulada maneira, como renderam os oponentes, é iminente. Como toda jogada tem que se pensar nos próximos passos no jogo e do adversário. As circunstâncias foram favoráveis ao G5, mas foi um erro cabal, não pensar na próxima jogada. Foram motivados por fraquezas pessoais e deixaram transparecer isso nas palavras e no gestual. E essas informações, por vezes, abstratas, são captadas pelo público, que pode ou não perdoar, julga e setencia.

Eu aprecio virtudes em todos os jogadores. Gosto de Alberto, já o caracterizei como grande analista do todo, lhe tenho admiração, apesar dele ter emparedado a minha preferida e tê-la mandado antes do que muita gente queria, outros nem tanto(risos). Gostei da maneira como Airton tentou engrenar fazendo contraponto com Diego e se mostrando alguém de personalidade que não a de marionete de Alberto, mas, ele ficou só nisso. Poderia ter rendido mais. Ele, Airton, voltou de um paredão e ficou na moita com aquele livro que finge ler e de lá só às refeições e festanças. Ô vidinha mais ou menos. Ambos, deitados em berço esplêndido, num mutualismo, por vezes, de amizade verdadeira, outras, compadres. Um momento brilhante dos dois foi a conversa deles, depois da festa em que Alberto e Bruna se desentenderam e Íris foi dormir de conchinha com Bruna(risos). Neste diálogo matutino nasceu a semente da discórdia e foi tomando forma no quarto Caatinga onde estavam Analy e Carol. Foi bacana a conspiração. Se tivesse ficado só nisso, beleza. Foram vomitar fora e estragaram o jogo.

Analy e Carol, não consigo separar as duas, são unha e carne até nos meus pensamentos ao decrevê-las. Tem exemplo de jogadoras mais artificiais que essas? Analy é, de fato, uma garota refinada e educação diferenciada. Não por ela ter recebido instrução, não a conheço, não sei o seu passado, mas, reconheço seu polimento intrínseco. Ela é daquele jeito por genética mesmo e não por fenotipia. Me desculpem os seu fãs, mas, Analy não tem perfil de jogadora de BBB, falta-lhe explosão e gana para vencer e se fazer presente. Ela por natureza só ataca quando é atacada. Mas, meu amigo, ela tem uma arma a seu favor, quando argumenta é craque na construção e explanação das idéias, e tudo assim, de supetão; é a mais centrada. Carol me surprendeu a priori por sua precocidade, mas, se perdeu em suas próprias conjecturas. Expõe com clareza todas as possibilidades de jogo e faz as jogadas mais suicidas. É a Kamikase BBB7. Está confusa a menina. Típico da idade em que a imaginação e a criatividade são o dínamo e formam a base para o resto da vida. É o tipo de jogador que tem todas as técnicas, mas, não aperfeiçoa nenhuma delas. Faz uso de seu conhecimento de BBB de forma desordenada, despropositada e dissimulada. Ambas, deitadas em berço esplêndido, tipo, peixe piloto esperando as sobras do grande tubarão. Comensalismo puro.

Bruna perdeu muito tempo na cozinha e de flozô com Alberto. Se anulou como uma amélia e aceitou isso. Que jogadora é essa que sai de sua terra para ficar à margem e, mesmo quando instigada a participar do jogo, não se pronuncia? Demorou quase dois meses para ela ver que é uma candidata ao grande prêmio e agora, corre atrás do prejuizo, numa celeuma de sentimentos antagônicos, diante do relacionamento com Alberto, o jogo, os demais jogadores, o público e consigo. Gosto da maneira como a Bruninha é séria e meiga ao mesmo tempo. É integra em seus princípios e os valoriza com seu jeito de ser, ver e reagir. Acordou tarde para o jogo; foi empurrando com a barriga. Teve sorte em levar três lideranças e poderia ser um ícone no jogo se soubesse usá-las de forma mais competitiva. Lamento.


Isto posto, sobre o G5 sem fair play, vamos ao que interessa.

G5 sem fair play versus G3 +/- jogo limpo: a princípio, o poder quantitativo do G5 vai levar a melhor, embora embasados por motivos dúbios mas, seguem à carnificina, na esperança do Highlander perder a cabeça.

O G5 está eliminando seus oponentes, colocando-os emparedados entre si. Sabem, no fundo da alma que se forem contra qualquer um do G3 vão vazar. O mais engraçado é que eles jogam com a gente(o telespectador) como se não houvesse essa tática e que o destino dos emparedados são mera coincidência e acertos naturais do jogo, que na cabeça deles é limpo e cristalino. E o mais risível é, eles, mesmo sabendo que não fizeram nada para ter o apreço do público vêm com saidinhas e frases de efeito: "não é possível que o Brasil não esteja vendo isso?", "Deus é Justo", "sei que estou certo, o que eu fiz de errado?", "tenho a mão santa", "onde estão a moral e os bons costumes?", "É isso que o Brasil quer para sí?", "não é possível gente, que o Brasil tenha gostado desse casal, eu não vi nada aqui dentro", "tem alguma coisa errada, não é possível, será que estão mostrando tudo?", "Esse paredão foi uma coisa natural. Ninguém combinou votos!"... dentre outras. A que mais me divirto é "tenho certeza que se for um de nós contra eles, o Brasil dará a resposta, pois, a cada semana muda tudo". (rindo muito).

O G3, massacrado pela covardia e inveja, será reduzido a um só, questão de tempo. Queria encontrar outros adjetivos menos carregados, mas, não os tenho. O BBB está previsível demais. A cada cabeça decepada fortalece o Highlander.

Opinião pessoal: Diego, o Alemão, não merece ganhar o prêmio, por tudo que fez de errado no programa. E isso é o que mais me deixa triste. Como o G5 deixou de bandeja ele ser o expoente máximo a ganhar o prêmio? Como é que pessoas tão inteligentes deixaram a inveja lhes dominar a perspicácia? Diego atropelou arrogantemente seus pares, destratou as mulheres e invocou o espírito do já ganhei. Vale lembrar que ele, indiretamente, ajudou na saída prematura de Irislenes Stefanelli, colocando em dúvida o caráter da moça de tupã. Sempre afirmei que o vencedor tem que aliar carisma e sorte. Estou quebrando a cara. O sujeito não tem sorte em nada... não ganhou nada, mas, soube fazer a interação com o público. Tenho minhas dúvidas, se a torcida de Irislene não tivesse esmorecido na hora da votação, Diego estaria lá na Big House? O que me faz entender mas, não aceitar a sua conquista na grande final, é o fato de que o Highlander-o público- prefere dar o prêmio a um Alemão, em vez, de qualquer outro participante, principalmente do G5 sem fair play, pelo sentimento de "justiça" e antipatia pelas ações dissimuladas e cínicas do pentágono e não por mercimento do jogador Diego. Vou ser chato mas, é preciso dizer; a saída de Irislene foi o que melhor aconteceu para alavancar de vez, a preferência por Alemão, a forma como foi instaurado o paredão ainda está no inconsciente coletivo. Ela é o seu maior lobista.

A saída de Irislene Stefanelli, não foi uma derrota pessoal e nem do público que ela conquistou com seu jeito chato, contraditório, limitado na articulação, porém, com carisma, vontade de vencer, articulada em seus princípios e valores, brilho verossímil nos olhos e ações corretas. É isso que alguns não querem entender e não vão admitir jamais. O artificial planejado não é páreo para a espontaneidade. Não num programa que envolve comportamento e onde as emoções são testadas e analisadas. Essa gente que não dá espaço para enxergar o óbvio, são seres pensantes de alto nível intelectual. Não sou capaz de contra argumentar com pessoas desse quilate.

Vencerá o público, vencerá o carisma e não a artificialidade e o espírito anti esportivo. O G5, infelizmente se perdeu nas suas tresloucadas deduções pueris. Se não tivessem se afogado em motivos pequenos e usado as armas corretas o jogo poderia ser outro. Eu por exemplo gostaria muito de estar parabenizando um Alberto, uma Carol, um Alan e nunca, mas, nunca um Diego.

Momento fã: Irislene venceu o jogo, foi sua campeã moral e será avalizada por quem ela quer que vença. É a maior aliada do G3 aqui fora. Os vencedores(2º e 3º colocados) serão esquecidos. A caipira sempre será lembrada e o BBB7 estará em nossas memórias como sendo o BBB de Iris, a Siri. Então... ESTAREI RINDO DE MONTÃO (E A TOA) até o próximo BBB. (rindo muito, de rolar no chão)

No final, só pode haver um.

26 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns!!!

Muito boa a explanação.. estou "de cara" com a profundidade do post!! hjehehe

ESTOU RINDO DE MONTÃO é otémo!! hehehe

sheila disse...

NOSSA!!!! lendo seu blog, parece que estou lendo o próprio Bial.
Vc escreve muito bem, fala de maneira que não ofende os participantes e o público, como em alguns blogs horrorosos por aí.
Vc escreve os pensamentos da maioria dos brasileiros que assistem o BBB, PARABÉNS!!!!!!!!!

rio205832 disse...

Kane,
Acho muito louvável vc não denegrir a imagem dos jogadores, mas acaba sendo contraditório demais. Se vc acha que aquele que sobreviver do G3, terá sido "massacrado pela covardia e inveja" e que no fim "vencerá o carisma e não a artificialidade e o espírito anti esportivo" que "se perdeu nas suas tresloucadas deduções pueris", fica impossível caracterizar o Alberto como um jogador inteligente, estrategista e gente boa. Acho até que ele é inteligente (gente boa tenho minhas dúvidas: gente debochada não é gente boa), mas como jogador foi burro demais. Sua maior qualidade é seu incrível poder de persuasão, convencendo as pessoas a irem inclusive contra seus próprios interesses. Mas ele não soube usar este poder para convencer o público, já que nem soube usar os argumentos corretos. Jogador inteligente e estrategista é o Alemão, que apesar de suas escorregadelas de caráter, soube jogar para quem realmente decide este jogo. Não era o meu favorito (também torcia por Siri), mas agora é o único que merece ganhar. Pena que não pode ficar com o 1º, 2º e terceiro lugares.

kane disse...

rio205832,

... vc tem razão, mas, não foi contradição foi erro de colocação das idéias mesmo(risos).Eis o certo:
"O G3, massacrado pela covardia e inveja, será reduzido a um só, questão de tempo".
A questão sobre o Alberto é: se vc perceber que quando me refiro a ele, falo apenas dele isoladamente, como jogador individual, e em outros momentos confabulo sobre o G5 como um todo, isto é, Alberto teve a visão para o que fazer, mas, a aplicação, a forma encontrada e descarada diz respeito a todos, pois, todos dissimularam na maior cara de pau. Acho que Alberto percebeu isso. Ele se queimou e chamuscou os outros porque instigou e atroleou os acontecimentos, foi precipitado.
Ele foi estrategista, mas, falou demais, fez muito estardalhaço. Vejo nele sim uma figura gente boa. Ele teve seus momentos de fraqueza e vai arcar com as consequências.
Obrigado pela visita.
Errata assimilada
Abraço

ahhh moleque!!!!!! disse...

É cara,vc em certos momentos do seu post consegue ver o jogo longe,mas o que te atrapalha um pouco é sua torcida pela Iris,ai vc se perde e te deixa parcial demais.Mas no geral gostei dos teus posts,ao menos não está totalmente cego como a grande maioria dos blogueiros.Tomara que no BBB 8 vc não tenha torcida a favor,ai venho te ler sempre.
Abraço.

Pato disse...

em nono lugar mas a campea do bbb.

p.s. adorei vc ter usado o adrian paul. ahhauhauau

Neide Salles disse...

Parabéns!
Seus comentários são perfeitos.
Obrigada pela oportunidade de conhecer um cantinho tão lúdico, quando o assunto é BBB.
Sucesso e muita inspiração.
Continue olhando as pessoas e falando com a Alma.

rio205832 disse...

Kane,
Não conheço pessoalmente ninguém do BBB e realmente não posso opinar com certeza sobre o caráter dos jogadores. Acho que deve ser muito difícil ficar trancado ali dentro, convivendo 24 horas com pessoas com quem não se tem relação de afeto, sob o estresse do julgamento popular. Agora, uma coisa que me tira do sério é o deboche. Quando Alberto estrebuchou de prazer com o bate-boca de Fani e Íris e quando Airton deu aquela fatídica gargalhada, compraram minha antipatia para sempre. Mas na situação atual, já que provavelmente dois do G5 ficarão em 2º e 3º lugar, ainda acho que Alberto é o que mais merece. O outro finalista fica muito difícil de escolher.
Um abraço.

janaina disse...

encontrei aqui em seu blog ideias muito interativas e um adoravel ponto de vista em relacao ao jogo e nao a partidos e torcidas ... Fico muito decepcionada em outros lugares que encontro onde linguajares de pessimo gosto sao usado em relacao ao jogo,participantes e organizadores ... um abraco

Antenada disse...

Jogo limpo é o Alemão falar mentira com Alberto que Iris tinha pedido a cabeça dele (uma mentira deslavada)
Jogo limpo é Alemão usar uma aliada como espiã DESCARTÁVEL, instruindo a Iris para fazer o mesmo caso ele saísse.
Jogo limpo é o Alemão fazer pressão psicológica, intimidar, manipular, ofender.

Os louros tem legitimidade para jogoar SUJO.
Os morenos são condenados e execrados por jogar LIMPO.

E o prêmio vai para.........
um ex condenado da justiça!!!

brasil sil sil!!!

heineken disse...

Sinceramente não consigo entender como deboche, gargalhada na hora errada e precipitação estratégica possam ser falhas mais graves do que falta de caráter, ofensas, intimidações e desrespeito às mulheres.
Aliás o apoio das mulheres ao candidato favorito ao prêmio é algo que muito me intriga e entristece. Claro que beleza, carisma e determinação são importantes na vida e no jogo. Mas tudo deve ter limites, e um mínimo de senso de justiça é fundamental.

heineken disse...

Outra coisa que eu não entendo é uma certa confusão entre espontaneidade e extroversão, comportamento racional e artificialidade. Passionalidade e impulsividade deixaram de comportar qualquer sentido negativo. Resolver diferenças e conflitos pelo diálogo parece ser coisa de quem não tem "coração", "peito" ou "sangue correndo nas veias". Muito esquisito...

Anônimo disse...

post muito bom...diz tudo!!
qto a carol falta-lhe eficiencia...
...aos outros falta t-u-d-o!!

Por um bbb verdadeiro disse...

Você esqueceu um detalhe importantíssimo: o favorecimento das edições em favor do G3. Como o próprio Dhomini disse no chat, se passassem o que acontece 24h nas edições, o quadro seria outro. Não existiria o Diego favorito.

E outra (para usar uma expressão do Diego), quem fica o tempo inteiro articulando, intimidando e combinando votos é o Diego, não precisa ser brilhante para ver isto.

Por fim, porque todos da casa podem ser votados e sair e o G3 não? Como ficam indignados, achando-se injustiçados... Afinal é um jogo e todos os que estão lá dentro têm direitos iguais para disputar o prêmio, mas, infelizmente, não é isto o que acontece, tendo, inclusive, o mediador do programa exercido uma intimidação clara. Só para refrescar a memória, no paredão do Diego e da Íris, o Pedro Bial foi extremamente deselegante, mal-educado, grosseiro, desrespeitoso etc. com o Alberto na hora em que exercia o seu direito de líder de justificar a sua indicação. Isto é muito feio. A grande mídia já está denunciando a farsa que tomou conta do BBB7 (veículos da imprensa escrita sérios e respeitados, como o JB e a Veja).

Os demais participantes perceberam que estão sendo "queimados" e resolveram mudar o jogo (lutar pelo prêmio - o que é legítimo) e para isto não intimidam ninguém, conversam e cada um decide o que quer. O Alberto, taxado como mau caráter, nunca influenciou a Bruna a indicar alguém, isto é ser desonesto, jogar sujo? A meu ver não.

P.S.- Não torço pra ninguém, quero um bbb verdadeiro, sem novela, sem maniqueísmos, como é o programa de sucesso no mundo inteiro. Só aqui tem este tipo de edição que distorce o que acontece dentro da casa.

Kika disse...

Nossa!!! muito bom todos os seus textos.blog acima da média, como disse a Matilde.Parabéns...já está no meus favoritos.

mariana disse...

Nossa!!!!!!
Sua clareza e o jogo com as palavras é muito divertido de ler
Porque demorou tanto a blogar?
Continue....
Bju

Léo disse...

Primeiramente me desculpe pela extensão do comentário, tentei dar todas as minhas impressões sobre o texto.
O início ficou parecendo uma das mini novelas criadas pela Globo, enaltecendo uns participantes e menosprezando outros, como uma luta do bem e o mal. Também não entendi a expressão "G3 +/- jogo limpo", porque não "G3 +/- jogo sujo" a sua parcialidade, desde o início começa a lembrar a direção do programa.
Sobre a confabulação, a única diferença entre os dois grupos sempre foi a forma que ela foi feita, ambos os grupos sempre fizeram as confabulações, mas cada um de sua maneira. É bom lembrar também que, em nenhum momento Alberto pediu à Bruna para emparedar a Íris, senão ela teria saído uma semana antes da casa. Outra boa lembrança é a de que a Íris não pediu para Diego votar no Alberto, mas pediu para ele votar no Felipe. Concordo quando diz que o principal motivo era aumentar um pouco a luz sobre eles, pois sempre foi notória a parcialidade das edições do programa, mesmo para todos os participantes (inclusive senti falta de alguma abordagem aqui da censura praticada pela direção do programa à Bruna, Carol e Analy). É algo fantasioso pensarmos que os participantes deveriam deixar a disputa pelo prêmio não votando nas "estrelas" triângulo, sabendo que estes eram protegidos pela direção do programa. Achei uma atitude louvável dos outros participantes a forma como eles enfrentaram a direção do programa, impondo o enfrentamento dos seus astros, sofrendo todos os tipos de pressões e constrangimentos por parte do apresentador do programa.
É interessante a análise feita do Alberto, visto como reencarnação do mal pelo programa, muito mais superficial do que o merecido. Ele sim foi quem primeiro percebeu a proteção e o ibope dado ao trio, as conseqüências que isso levou só se discute teoricamente, pois não se sabe o que passou em sua cabeça. Penso que ao se notar isso, a frustração de saber a sua impotência em relação ao andamento que a direção do programa dava para os ganhadores do prêmio, o levou a tentar mudar esse rumo, o que tem que ser encarado de forma bastante natural. Analy foi outra a perceber isso muito antes e, de forma mais sutil que o Alberto, também teve participação neste movimento contra o programa. O Diego e a Íris também foram bastante espertos, pois viram os holofotes em cima deles e o que era de uma simples brincadeira começou a tomar proporções maiores, com declarações de amor sem nem mesmo ter acontecido nada entre eles. É interessante também citar que esse sentimento tornou-os bastante arrogantes e cheios de soberba, materializados na forma de ameaças aos outros participantes e teorias de que eles seriam beneficiados "diretamente" pela direção do programa (como no caso em que a Íris supõe que não haveria fotos dos concorrentes na urna de veto). A Flávia é um personagem que merece destaque pelos seus paradoxos. Era o símbolo de como os participantes deveriam se comportar, sempre com alto astral, se negando a falar de jogo ou combinar votos, sempre tentando levantar o astral de todos. Mudou repentinamente após o carnaval, onde foi ao sambódromo. É ilusão pensar que ela não soube das preferências do público, soube que Íris e Diego eram adorados e tratou de se juntar a eles na volta à casa. Esqueceu os seus valores (que foram demonstrados em uma briga com o seu namorado, onde sempre disse que era contra a combinação) tentando impregnar a sua imagem à do casal, não cansou de repetir as suas semelhanças com Íris, tentando ganhar os seus votos, não fez outra coisa com o Alemão a não ser falar de jogo e combinar votos, vomitou críticas a todos os participantes depois de indicada ao paredão, ou seja se perdeu no jogo. De participante adorada por todos, se aproximou das estrelas e se isolou dos demais participantes, o que a levou a sair prematuramente do jogo. Era uma concorrente forte contra o Alemão numa possível final, caso não cometesse esse erro e mantivesse a sua postura correta.
Sobre a Bruna faço das suas palavras as minhas, para mim será a segunda colocada do programa e se for mais esperta consegue disputar com o Alemão.
"O G3, massacrado pela covardia e inveja, será reduzido a um só, questão de tempo." se você não for o apresentador ou da direção do programa, está indo muito na onda deles. Lembre-se que o programa é uma ficção criada pelos diretores do programa. Porque seria covardia pôr Íris contra Diego, Diego contra Flávia, e não foi pôr dois amigos como Alberto e Felipe??? Covardia para mim foi o que Diego fez com Carol, destratando-a, xingando-a, arrotando a sua arrogância e machismo para todos os lados (mas isso infelismente não se passa nas edições do programa).
Só uma ressalva, não foi o que você chama de G5 que deixou o Alemão ganhar o prêmio, e sim o público que você fez questão de frizar que é consciente. Culpa também da edição que deixou de passar a barbárie feita pelo Alemão no episódio acima mencionado, resultando na eliminação da Íris. "Ações dissimuladas e cínicas do pentágono" "vencerá o carisma e não a artificialidade e o espírito anti esportivo", sua parcialidade está, gradativamente, tomando conta do seu ser. Até agora não entendo a revolta por causa da indicação dos seus favoritos, visto que eles são mais afastados dos outros da casa. Porque eles tinham que sair em detrimento do bem estar do "triângulo" + Flávia??? Porque eles tinham que votar neles mesmos ao invés dos protegidos??? Se é assim, tem-se que colocar o público para decidir as disputas, não os participantes, que surpreendentemente acharam uma forma de ir contra tudo e todos que torciam pelas suas saídas da disputa.
A saída de Íris não se deu antes contra o Alan Pierre porque a edição se recusou a mostrar a apelação feita por ela do domingo à terça, prometendo parte do prêmio, se proclamando pobre à cada cinco minutos, gritando a todos os cantos que ela era mais merecedora que qualquer um, que fez isso e aquilo para estar ali. Tiraram uma das figuras mais interessantes que poderia contribuir para uma boa edição do "reality-show" em detrimento da novela mexicana inventada por eles.
Tentando estragar o seu momento fãm continuo afirmando que a Íris foi um produto criado pela ficção exibida pelo programa, não passou de uma pessoa simples que tentou de todas as formas ganhar o prêmio e agarrou com unhas e dentes a oportunidade por ter percebido os holofotes em cima dela.
Enfim, o que eu concordei com você no outro texto, discordei neste. Foi claro o quento parcial você foi, chego a pensar se este blog não é de alguém instruído pela Globo, devido a omissão de fatos importantes ocorridos no programa e na intenção de se impregnar as opiniões percebidas ao assistir ao programa na tv aberta.

Léo disse...

P.S.: Tenha paciência com alguns trechos que ficaram bastante repetitivos e algumas erratas detectadas após a postagem como *fãm, *quento, respectivamente, fã e quanto.

THUNDER disse...

Vc escreve bem, mas parece ter como base muita edição e pouco PPV...

Gustavo disse...

É Alemão na cabeça, Flávia foi pra uma colônia de férias e não pro BBB, e agora quer dar uma de jogadora, pau nela.

Gustavo disse...

Para ANTENADA

o fato de uma pessoa pagar cesta básica na justiça (Transação penal) não significa que ela tenha sido condenada

Joyce disse...

Como é maravilhoso você escrever assim.....

PARABÉNS...
QUE BIAL QUE NADA...RSRSRSR

kane disse...

léo,

...“Primeiramente me desculpe pela extensão do comentário, tentei dar todas as minhas impressões sobre o texto.
O início ficou parecendo uma das mini novelas criadas pela Globo, enaltecendo uns participantes e menosprezando outros, como uma luta do bem e o mal. Também não entendi a expressão "G3 +/- jogo limpo", porque não "G3 +/- jogo sujo" a sua parcialidade, desde o início começa a lembrar a direção do programa.”

A expressão “jogo limpo” concorre diretamente a sua tradução de fair play, usada para o caracterizar o G5. E deixo claro que, este grupo usou sim de espírito antiesportivo quando selou a sua ação, para derrubar os adversários, em motivos pequenos. Eu vejo e sinto, dessa forma.

“Sobre a confabulação, a única diferença entre os dois grupos sempre foi a forma que ela foi feita, ambos os grupos sempre fizeram as confabulações, mas cada um de sua maneira. É bom lembrar também que, em nenhum momento Alberto pediu à Bruna para emparedar a Íris, senão ela teria saído uma semana antes da casa. Outra boa lembrança é a de que a Íris não pediu para Diego votar no Alberto, mas pediu para ele votar no Felipe.”

Essa diferença que é exatamente o ponto que os distingue e traz à tona, a torcida para um ou para o outro, de acordo com a maneira que o aprendizado construído de cada um vê e interpreta as ações; questão de identificação com esse ou aquele jogador ou grupo de afinidades. Alberto só não falou nada porque estava de birra com sua namorada. Penso que se ele tivesse a chance exporia, pelo menos o panorama do jogo à Bruna. Ele é esperto e usou isso para deixar claro que não interferiu na decisão de Bruna por outros motivos. Tanto que usou Carol para dar o recadinho, prontamente negado pela Líder na ocasião. Íris estava em ascendência popular; ela não sairia de forma alguma, é devaneio, pois, na semana seguinte foi com um forte candidato, o Alan e retornou com 34% dos votos a favor de sua eliminação. Concordo quando diz que Íris tentou influenciar sugerindo Felipe. Foi aí que Diego errou mais uma vez, em tagarelar seu jogo e se perdeu. Isto foi mostrado nas edições, eu vi e tenho gravado. Íris teve seu julgamento uma semana depois, quando foi ao paredão. Ela retornou.

“Concordo quando diz que o principal motivo era aumentar um pouco a luz sobre eles, pois sempre foi notória a parcialidade das edições do programa, mesmo para todos os participantes (inclusive senti falta de alguma abordagem aqui da censura praticada pela direção do programa à Bruna, Carol e Analy). É algo fantasioso pensarmos que os participantes deveriam deixar a disputa pelo prêmio não votando nas "estrelas" triângulo, sabendo que estes eram protegidos pela direção do programa. Achei uma atitude louvável dos outros participantes a forma como eles enfrentaram a direção do programa, impondo o enfrentamento dos seus astros, sofrendo todos os tipos de pressões e constrangimentos por parte do apresentador do programa.”

Concordo com a desproporcionalidade das edições em relação a espaço, tempo e qualidade editada a todos sem distinção, embora aqui, a produção teria que tirar leite de pedra para mostrar alguma coisa dos até então inertes e deitados em berço esplêndido. Sobre a censura acho que comentarei oportunamente, mas te adiantando, vejo que a intenção das moças era essa mesma, a de ser censuradas e provocar polêmica. Penso que há momento pra tudo. Elas estão sob contrato e é falta de respeito cuspir no prato que come. Há meios legais para as sua reivindicações. Sou veemente contra as ações anti éticas do apresentador. Não achei louvável o enfrentamento, achei oportunista e cheio de cinismo; não é assim que se ganha uma causa, ainda mais estando na casa do inimigo. E mais, eles não sabem do “favorecimento”, apenas imaginam. Logo, discutir o que não se tem certeza muitas vezes leva-nos a perder a razão. Isso em um processo jurídico é prato cheio.

“É interessante a análise feita do Alberto, visto como reencarnação do mal pelo programa, muito mais superficial do que o merecido. Ele sim foi quem primeiro percebeu a proteção e o ibope dado ao trio, as conseqüências que isso levou só se discute teoricamente, pois não se sabe o que passou em sua cabeça. Penso que ao se notar isso, a frustração de saber a sua impotência em relação ao andamento que a direção do programa dava para os ganhadores do prêmio, o levou a tentar mudar esse rumo, o que tem que ser encarado de forma bastante natural. Analy foi outra a perceber isso muito antes e, de forma mais sutil que o Alberto, também teve participação neste movimento contra o programa. O Diego e a Íris também foram bastante espertos, pois viram os holofotes em cima deles e o que era de uma simples brincadeira começou a tomar proporções maiores, com declarações de amor sem nem mesmo ter acontecido nada entre eles. É interessante também citar que esse sentimento tornou-os bastante arrogantes e cheios de soberba, materializados na forma de ameaças aos outros participantes e teorias de que eles seriam beneficiados "diretamente" pela direção do programa (como no caso em que a Íris supõe que não haveria fotos dos concorrentes na urna de veto).”

Como penso que, a televisão é o reflexo de seu povo, eu discordo de você. A caracterização de Alberto foi estudada e depois levada às edições para corroborar o imaginário fantasioso das pessoas em relação ao Alberto. Não partiu da produção. Foi pesquisa de mercado com as enquetes “infensivas da Globo”. Elucubrar sobre o que passa na cabeça de Alberto é um tanto difícil para nós dois. Albeto é inteligente e talvez percebeu a importância dada ao trio, contudo, ele sabe que foi apático no jogo, não despertou o carisma que se propunha. Foi feliz na conclusão mas, infeliz no atropelo da estratégia. O fato já estava consumado. Concordo que o casal de loiros se empolgou e fez a sua cena e exagerou por alguns instantes e sou crítico dessa fraqueza do casal de se acharem os melhores, principalmente de Diego, o mais articulado. Faltou humildade e visão de jogo. Sobre os votos, foi uma das maiores idiotices que ela, Íris, deixou escapar.

“A Flávia é um personagem que merece destaque pelos seus paradoxos. Era o símbolo de como os participantes deveriam se comportar, sempre com alto astral, se negando a falar de jogo ou combinar votos, sempre tentando levantar o astral de todos. Mudou repentinamente após o carnaval, onde foi ao sambódromo. É ilusão pensar que ela não soube das preferências do público, soube que Íris e Diego eram adorados e tratou de se juntar a eles na volta à casa. Esqueceu os seus valores (que foram demonstrados em uma briga com o seu namorado, onde sempre disse que era contra a combinação) tentando impregnar a sua imagem à do casal, não cansou de repetir as suas semelhanças com Íris, tentando ganhar os seus votos, não fez outra coisa com o Alemão a não ser falar de jogo e combinar votos, vomitou críticas a todos os participantes depois de indicada ao paredão, ou seja se perdeu no jogo. De participante adorada por todos, se aproximou das estrelas e se isolou dos demais participantes, o que a levou a sair prematuramente do jogo. Era uma concorrente forte contra o Alemão numa possível final, caso não cometesse esse erro e mantivesse a sua postura correta.”

Flávia é uma incógnita. Vejo ela como uma esperta, ficando na moita no começo, se esbaldando em alegria e curtição, para depois aparecer na reta final, onde teve que tomar partido senão, iria se isolar mesmo. Escolheu um caminho que não foi contra as sua convicções, escolheu o que mais tinha afinidade tendo Alemão como seu amigo; a saída para a Sapucaí, apenas, apressou a sua decisão. Ela tenderia a se juntar a Diego. Ela não faz o perfil do G5. A postura “correta” é difícil concluir. Você talvez, como torce pelo G5, deixa nas entrelinhas, com certeza estaria louvando a postura dela se estivesse se aliado a Alberto e numericamente masacrasse o G3. Compreendo a sua revolta.

“ "O G3, massacrado pela covardia e inveja, será reduzido a um só, questão de tempo." se você não for o apresentador ou da direção do programa, está indo muito na onda deles. Lembre-se que o programa é uma ficção criada pelos diretores do programa. Porque seria covardia pôr Íris contra Diego, Diego contra Flávia, e não foi pôr dois amigos como Alberto e Felipe??? Covardia para mim foi o que Diego fez com Carol, destratando-a, xingando-a, arrotando a sua arrogância e machismo para todos os lados (mas isso infelismente não se passa nas edições do programa).”

Não sou apresentador e, tampouco faço parte da produção do programa. Sou médico, em férias, que resolveu blogar para distrair. Sei que BBB está longe de ser um reality show como nos demais países. O BBB é um caso de tese mesmo, de dados mais embasados em quadros estatísticos e adequados, é algo que está longe de minhas intenções explicar o que é, mas, fascina pelos questionamentos levantados e emoções que desperta. Me entrete. A covardia citada baseia-se na forma como se deu, sem chance de defesa ao oponente e por motivos torpes e de fraquezas no caráter, vistos pelas demonstrações nas palavras, gestual e olhares de inveja. Essas informações são captadas e se forma uma opinião. Como explicar vc gostar de uma pessoa assim, de graça, instantaneamente e como explicar a indiferença a outros e sem motivos aparentes? Nosso cérebro capta muitas coisas. Nossos sentidos trabalham a todo instante. É a empatia da interação. Nada justifica e sem motivos se impor numericamente e podar todas as chances do adversário, por não saber perder. Lembre-se não é uma “guerra”, é um “jogo”. Faltou fair play. As coisas seriam diferentes se Alberto fosse mais sutil, se o grupo se mostrasse a que veio, se, todos, mostrassem o que são verdadeiramente. Eles se vestiram de artificialidade. Não estão naturais, estão se polindo numa desfaçatez horrorosa de ver. A idéia dele, Alberto, só foi adiante porque os do G5 tinham o mesmo objetivo, limar o que estava bacana de ver no jogo. Cedo ou mais tarde as máscaras iriam cair, e nessa hora evidenciaríamos um Alberto ou uma Carol. A maneira como foi, só despertou no brasileiro o seu lado passional e protetor dos oprimidos. Não tem mais volta. Eles serão decaptados. Diego não foi covarde ao xingar, foi execravelmente desrespeitoso, imoral, descortez, moleque, prepotente. Tinha bons motivos a seu favor mas, perdeu toda a razão, ao perder o controle e mostrar o seu lado pior.

“Só uma ressalva, não foi o que você chama de G5 que deixou o Alemão ganhar o prêmio, e sim o público que você fez questão de frizar que é consciente. Culpa também da edição que deixou de passar a barbárie feita pelo Alemão no episódio acima mencionado, resultando na eliminação da Íris. "Ações dissimuladas e cínicas do pentágono" "vencerá o carisma e não a artificialidade e o espírito anti esportivo", sua parcialidade está, gradativamente, tomando conta do seu ser. Até agora não entendo a revolta por causa da indicação dos seus favoritos, visto que eles são mais afastados dos outros da casa. Porque eles tinham que sair em detrimento do bem estar do "triângulo" + Flávia??? Porque eles tinham que votar neles mesmos ao invés dos protegidos??? Se é assim, tem-se que colocar o público para decidir as disputas, não os participantes, que surpreendentemente acharam uma forma de ir contra tudo e todos que torciam pelas suas saídas da disputa.”

Já expus acima o que acho do G5, se parcial ou não, é isso mesmo que penso. Não há revolta, até porque resolvi blogar, quando minha preferência já está nas ruas, curtindo os louros de sua popularidade. E já afirmei que queria parabenizar outros menos um Diego. E vc já me viu falar alguma coisa da Fani? Estou até devendo comentar sobre a garota. Flávia é carta fora do baralho. A questão deles serem indicados, nenhum problema, se fosse de forma narural e não arranjada de maneira invejosa. Eles votariam sim entre si, se não se unissem em prol do objetivo comum. Antes disso acontecer... Alberto não tinha afinidades com Analy e Carol, somente com Airton e Bruna. Analy e Carol estavam com Bruno e Airton estava mais para isolado do que para com Alberto. Logo, o que os uniu foi a visão clara que estavam apenas figurando, indo na idéia de Alberto. A briga particular de Alberto foi a deixa para os demais colocarem no imaginário que estavam fazendo o correto, mas por dentro, estavam se corroendo. Meu caro, eles não dormem com a consciência tranqüila... todos os dias eles querem justificar as sua ações por que está doendo e quem vê capta e sabe a diferença de comportamento. São humanos analisando outros humanos. Eles não enganam ninguém. Nossos sentimentos e fraquezas são inerentes a qualquer um. Não é necessário ser psicólogo para pressentir uma mentira ou jogo de palavras com gestual e olhares opostos.

“A saída de Íris não se deu antes contra o Alan Pierre porque a edição se recusou a mostrar a apelação feita por ela do domingo à terça, prometendo parte do prêmio, se proclamando pobre à cada cinco minutos, gritando a todos os cantos que ela era mais merecedora que qualquer um, que fez isso e aquilo para estar ali. Tiraram uma das figuras mais interessantes que poderia contribuir para uma boa edição do "reality-show" em detrimento da novela mexicana inventada por eles.”

Você acredita nisso mesmo?

“Tentando estragar o seu momento fãm continuo afirmando que a Íris foi um produto criado pela ficção exibida pelo programa, não passou de uma pessoa simples que tentou de todas as formas ganhar o prêmio e agarrou com unhas e dentes a oportunidade por ter percebido os holofotes em cima dela.
Enfim, o que eu concordei com você no outro texto, discordei neste. Foi claro o quento parcial você foi, chego a pensar se este blog não é de alguém instruído pela Globo, devido a omissão de fatos importantes ocorridos no programa e na intenção de se impregnar as opiniões percebidas ao assistir ao programa na tv aberta.”

É tão ficção que a lesada está até agora encarnando o personagem. Vai entrar no livro de recordes por ficar mais tempo interpretando... ha mais de 20 anos.(risos, desculpa, não pude evitar).
Não sou instruído por ninguém, como afirmei cima, sou médico e nenhum vínculo com Boninho ou qualquer diretor global apenas estou blogando. Apesar de, mesmo, em férias, estar muito ocupado, espero postar diariamente. Está difícil, mas....
Quanto a parcialidade, tento no post de apresentação(front page) dar as idéias de forma parcial o máximo possível e deixo pra cá, no espaço dos comentários, aflorar meu lado torcedor, aqui eu escancaro(risos). Lógico que as vezes não dá. As idéias são construídas a partir de suas preferências. Esse blog existe apenas a seis dias. Deslizes todos cometemos, ainda mais no começo, onde o estilo está em implantação.
Espero que volte mais vezes, vc me divertiu. Foi interativo, ilustrativo, educativo, educado e muito democrático.
Obrigado pela visita
Abraço

Anônimo disse...

gente
ninguém consegue enxergar que esse tal de alemão só vai ganhar por que deixa o bial molhadinho?
o bial e a edição só favorecem o moço...

carolzzz disse...

quem merece ganhar o premio entaum, se naum o diego? pois naum foi ele o melhor jogador dessa edição? ou a gente tah escolhendo o melhor carater do programa?

Léo disse...

Obrigado pelos elogios, os mesmos servem para você também.
Estou me divertindo escrevendo sobre o programa com uma pessoa que, mesmo tendo torcido por alguém, é susceptível ao debate.
Gostaria apenas de frizar que o meu participante preferido saiu há algum tempo também, o Alan, ou seja, estou longe de torcer para o G5. Confesso que estou distante do programa desde a saída da Íris.
Há duas formas de ver os oprimidos do programa, os que você entitula de G3, pela minoria numérica, e os chamados G5, excluídos pela direção do programa.
No episódio da censura, não acredito que tenha sido feito de propósito. Se você chegou a vê-lo, notará que a conversa surge naturalmente e devido a parcialidade do apresentador. Elas dizem que estão decepcionadas com ele por sempre o terem admirado, perceberem a sua preferência e os males que esta opinião pode trazer para elas. Quando falei de enfrentamento não me referia a este episódio específico, mas sim a perspicácia dos participantes de acabar com a novela promovida pelo programa.
Concordo que a caracterização possa não ter partido da direção, mas ela tomou proporções inimagináveis através dela. Não tenho nada contra as enquetes e pesquisas, mas não sou favoráveis a elas em reality-shows, pois elas influenciam o público.
Não acho que a Flávia deveria se juntar ao G5, mas foi o seu erro afastar-se dele, já que ela tinha uma boa relação com a maioria dos seus integrantes. A manutenção da sua postura, poderia significar para o público que aquilo seria realmente inerente a ela, mas ela se perdeu ao ter saído da casa e ter se enchido de informações que a fizeram esquecer de toda a sua postura anterior.
Ainda insisto na tese que os enfrentamentos entre amigos surgiram de forma natural pela diferença numérica entre os pólos da casa. Juntando com a sorte, e estatística, que os beneficiou com as lideranças em momentos chaves. A questão é, porque eles teriam que tirar eles próprios ou enfrentar os adversários se eles poderiam fazê-los se enfrentar entre si??? É isso que define como antiético??? E acredite, eles dormem sim com a consciência tranqüila, pois não fizeram nada de errado no jogo.
Eu acredito que a Íris saíria caso não fossem tão explícitas as edições a favorecendo e escondendo as sandices praticadas por ela ao ter sido levada à disputa.
Não falei que a Íris é falsa ou que ela representava, acho-a até muito autêntica, mas há fatos que ela própria relatou que são inverídicos, o que me levou a nutrir uma certa antipatia a seu respeito. Apenas falei que ela foi bastante beneficiada pela necessidade que a direção do programa tinha de aumentar a sua audiência, criando assim a ficção que vimos nos programas passados na tv aberta.
Não é fato que o programa não tinha nada a passar dos outros participantes, tiveram muitas situações que os beneficiavam e que foram interessantes nas suas passagens que simplesmente foram ignoradas pelo programa aberto. Como também muitas situações bárbaras do G3 que poderiam comprometê-los e que também foram ocultadas.
Não estou aqui defendendo ninguém, talvez pareça que me direciono um pouco a favor do G5, mas isso é natural, pois, para podermos ter uma discussão saudável, precisamos estar pelo menos um pouco em lados opostos, concorda?

Queria também agradecer por estar tendo tempo para ter essa discussão saudável e dizer que este blog é o único que consegui ter vontade de emitir uma opinião, pois os outros são muito parciais, cheios de pessoas quase acéfalas e desfavoráveis a opiniões divergentes.

Parabéns.

Postar um comentário

Ah, navegante, você sabe as regras de conduta. Não envergonhe Voltaire e faça sua parte. Eu, certamente, farei a minha: deletarei os comentários tolos ou ofensivos a quem quer que seja (comentaristas ou blogueiros). Meta pau nos que venderam a alma pro Boninho.

Contato com Citizen Kane E-mail: sociedadebbb@bol.com.br
.